Os momentos de crise podem se tornar grandes oportunidades de mudança para os empresários, principalmente aqueles que conseguem
identificar os promissores caminhos escondidos em meio às situações desfavoráveis.

Com as atuais turbulências políticas e econômicas que ocorrem no Brasil, o mercado sofre com o aumento do índice de desemprego, a diminuição da circulação de dinheiro e, consequentemente, o aumento das falências de diversos tipos de serviços. E onde se posiciona a empresa de contabilidade nesse cenário?

 

Pois bem, além da crise, são diversas as transformações que o empresário contábil, na condição de gestor de negócios, tem enfrentado nos últimos anos:

√ A entrada em vigor dos SPEDs;
√ Novas obrigações acessórias exigidas pelo fisco;
√ Implantação do IRFS (padrão internacional de contabilidade);
√ Entrada da contabilidade on-line;
√ Distanciamento da teoria da prática;
√ Entrada de grupos internacionais no mercado, e etc.

 

A dúvida é a mesma para muitos: passo a marcha e sigo em frente, ou reduzo e diminuo o meu pessoal? É bem verdade que os gestores das empresas prestadoras de serviços precisam estar atentos às exigências do mercado, principalmente no que diz respeito a investimento e inovação.

Observe o mercado como um todo, logo, irá perceber que organizações de várias atividades que não modernizaram as suas gestões e operações, acabaram desaparecendo. Isto ocorrerá principalmente com as empresas contábeis, já que a atualização é fator preponderante para que continuem atuantes.

 

Medidas empresariais devem ser tomadas para não ceder à crise:

√ A primeira medida é a diversificação. Em qualquer tipo de empresa ou segmento, é preciso uma estratégia de desenvolvimento de novos produtos e de exploração de novos mercados, como uma espécie de departamento que investe pensando no futuro;
√ Toda empresa precisa procurar ter nos dias de hoje, versatilidade e abertura para mudanças, principalmente no enfrentamento de crises;
√ Outra importante medida é ter atitude. Grande parte do fracasso das empresas estão na inércia e naquele destrutivo sentimento de auto piedade que busca culpar os elementos externos ao invés de sair em busca de novas soluções;
√ Nenhum negócio sobrevive sem uma função clara e competitiva. Manter um mercado de forma artificial, como À s vezes é feito por mecanismos como reserva de mercado, pode ser um tiro pela culatra a longo prazo;
√ É preciso sanear e profissionalizar todos os colaboradores da empresa, aumentando sua eficácia e otimizando os seus recursos.

 

Aspecto psicológico deve ser trabalhado para incentivar equipes

√ Abra canal de comunicação e esteja pronto para escutar o que os colaboradores pensam. A melhor estratégia é sistematizar os canais de comunicação de forma interlocutória: do gerencial para o operacional e da produção para a direção;
√ Estimule a criatividade entre sua equipe, criando desafios de melhoria contínua recompensando as ideias mais criativas.

 

Certamente com a adoção dessas práticas, e de outras observadas particularmente na sua empresa, o sucesso dos negócios e a superação da crise acontecerão na mais alta performance.

 

Empresário contábil, crie e sobreviva aos desafios empresariais

O texto acima foi abordado no 1º GESCAP, pelo especialista Paulo Adloff, que apresentou a palestra “Gestão por indicadores de desempenho”.